5 Dicas para Começar a Sua Consultoria Tributária

4 minutos para ler

O mercado de consultoria tributária e revisão fiscal é repleto de oportunidades, especialmente em virtude da complexidade da legislação, das mudanças de interpretação e também da necessidade constante que as empresas têm de revisar os seus processos e a sua carga tributária.

Profissionais de carreira e com mais experientes na área fiscal têm ótimas oportunidades de trabalhar por conta própria, usando o conhecimento e experiência acumulada para gerar negócios e assim ter a sua própria consultoria tributária.

Preparamos a seguir algumas dicas práticas para quem está pensando em fazer essa transição e ter o seu próprio negócio na área de consultoria tributária.

1 – Defina o seguimento e porte de clientes que você pretende atender

É importante você definir um segmento alvo no qual você irá prospectar. Por exemplo, há consultorias que atendem somente varejistas do SIMPLES Nacional (supermercados, farmácias etc). Há outras consultorias que focam em empresas industriais ou comerciais de médio ou grande porte do Lucro Presumido ou Real.

Essa definição obviamente é influenciada também pela a experiência que você construiu e também pela sua rede de relacionamentos. Um profissional que construiu a carreira, por exemplo, na área automotiva, provavelmente terá mais facilidade para atender clientes do mesmo ramo.

2 – Crie um ótimo material de marketing e use as redes sociais para fazer prospecção

Para clientes de médio e grande porte, você pode usar ferramentas como o Linkedin para acessar contadores, gerentes fiscais ou controllers. Para isso, é importante que você construa uma apresentação demonstrando a sua experiência e o que o serviço que você está oferecendo pode gerar de benefício para a empresa. Demonstrar para empresas maiores que o seu serviço pode melhorar índices de EBIDTA ou de caixa são ótimas formas de chamar atenção dos potenciais clientes, especialmente executivos que têm seus bônus vinculados a tais indicadores. Teste o seu “pitch” de vendas e adapte-o até achar uma fórmula de aproximação ideal.

Já para o seguimento de empresas do SIMPLES, você pode utilizar o Facebook ou Instagram para atingir o seu público-alvo, oferendo os seus serviços e demonstrando o potencial benefício que o seu trabalho pode gerar.

3 – Tenha um “cardápio” de oportunidades e ofereça uma “degustação” ao seu prospect

Use a sua experiência para definir uma lista de pontos de benefícios e oportunidades e tente oferecer ao seu prospect uma “degustação” gratuita do que você pode identificar de oportunidades. A não ser que você já tenha um relacionamento com o possível cliente, é muito difícil que você feche um trabalho de revisão fiscal ou levantamento de crédito sem demonstrar, minimamente, o potencial estimado do benefício que você pode gerar.

Um diagnóstico fiscal gratuito com uma amostragem de período (alguns meses) pode ser interessante. Se houver abertura, é possível também tentar cobrar um valor mínimo para fazer esse diagnóstico, o qual poderá ser eventualmente descontado dos honorários finais.

4 – Defina uma proposta de honorários no esquema “ganha ganha”

É muito comum que as revisões fiscais sejam remuneradas somente no êxito. Essa forma de contratação é mais fácil de ser aprovada pelos clientes, pois demonstra que todos ganharão juntamente nos resultados que trouxerem benefícios financeiros para a empresa. Ou seja, o serviço não será visto como um custo, mas como um investimento.

Há outras formas de remuneração também, como taxa horária ou valor fechado, o que pode compensar trabalhos que não resultem em benefício financeiro. De qualquer forma, é sempre importante entender do cliente qual o formato que mais lhe agrada.

5 – Não dê trabalho ao cliente. Use tecnologias para usar os arquivos SPED como fonte de dados

Geralmente se você encaminhar ao cliente uma lista muito longa e complexa de documentos, é provável que o trabalho fique parado, pois pessoas da área contábil ou fiscal já são muito atribuladas e sem tempo.

Dessa forma, é muito aconselhável que após fechar o trabalho, você simplesmente peça uma procuração eletrônica e baixe os arquivos (SPED, DARFs etc.) diretamente dos sistemas da Receita Federal.

Para tanto, você precisará de ferramentas , como as soluções da Taxcel, para lhe ajudar a ler e trabalhar com esses arquivos digitais de forma mais fácil e estratégica.

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Share This