Em meio a tantas situações urgentes e reuniões, é fácil ficar na dúvida se estamos realmente fazendo o papel de gestor ou somente “apagando incêndios”. Por isso, três perguntas são essenciais para que o gestor faça uma autorreflexão acerca do seu papel na área fiscal e, dessa forma, tomar iniciativas que possa lhe ajudar a de fato atuar na gestão e sair do operacional:

  1. Você está agregando um valor concreto ou está meramente transmitindo informações? A ideia é que você, como gestor, deve passar cada minuto do seu dia aumentando o valor ou os resultados das pessoas pelas quais você é responsável.
  2. Você está por dentro do que acontece ao seu redor?  Isso inclui o que ocorre na sua empresa e no seu setor como um todo. Ou você simplesmente espera que alguém traga essa informação?
  3. Você está testando novas ideias, novas técnicas e novas metodologias? Mas colocar em prática mesmo, e não apenas ler ou estudar a respeito.

Nesse sentido, algumas dicas podem ser bem úteis para melhorar a atuação do gestor fiscal.

Ter reuniões semanais com os liderados de forma individual (one-to-one) é essencial para repassar os assuntos da semana, principalmente no sentido de definir as prioridades e também receber um report do andamento dos trabalhos.

É importante já deixar a agenda “travada” de forma recorrente prioritariamente na segunda-feira, primeiro dia da semana útil.

Além disso, tenha uma rotina com atividades curtas de coletas de informações, bem como organize seus projetos e atividades de uma forma clara e eficiente.

Rotinas, reuniões, projetos, organização, atividades são só algumas das habilidades necessárias para uma gestão organizada e consistente.

Um gestor organizado sabe com clareza o que precisa ser feito, sabe organizar seus prazos. Principalmente, em se tratando do setor fiscal/tributário, o gestor deve saber se comunicar com muito mais eficiência com seus superiores e com seus subordinados para que não haja “gaps” ou problemas de gestão que possam causar prejuízos para a empresa.

À luz das considerações acima, entendemos que as principais habilidades de um bom gestor fiscal são:

  1. saber implementar governança;
  2. definição de metas;
  3. controle por indicadores;
  4. reuniões internas;
  5. feedbacks objetivos;
  6. organização básica;
  7. gestão de projetos;
  8. gestão por processos e planejamento operacional.

Uma vez que estas habilidades estão alinhadas e implementadas, você terá total clareza sobre as decisões que precisa tomar no negócio da sua empresa ou cliente. Metas, indicadores, rotinas, tudo isso estará devidamente organizado.

Se você precisa começar a organizar as coisas no seu dia e o no dia da sua equipe, comece pequeno. Lembre-se o “ótimo é inimigo do bom”.

Em caso de dúvidas, envie uma mensagem para contato@taxcel.com.br


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This