Quer conhecer melhor o bloco K do SPED? Leia aqui!

O Sistema Público de Escrituração Digital – SPED, por substituir, de forma geral, os livros físicos pela escrituração digital, exige alguns conhecimentos específicos por parte dos administradores, gerentes e contadores, que devem estar preparados para apresentar todas as informações exigidas pelo fisco de forma adequada. Isso garante o pleno cumprimento da lei, evitando multas e complicações.

Neste artigo, apresentaremos algumas questões sobre o assunto, expondo a definição do Bloco K, as alterações normativas aplicáveis ao tema, os dados que devem ser informados nesse bloco, e, no fim, algumas das dificuldades enfrentadas pelas empresas e como superá-las. Confira!

O que é o Bloco K?

Bloco K é o nome dado à versão digital do Livro de Registro de Controle de Produção e Estoque – RCPE, que trata das escriturações correspondentes às entradas, saídas, produção e quantidades referentes aos estoques de mercadorias.

O documento virtual contém relatórios e todos os dados relevantes sobre o estoque e a produção de uma empresa. A legislação fiscal exige que as indústrias  ou as empresas a elas equiparadas pela lei — e os estabelecimentos atacadistas enviem o Bloco K integrando seus sistemas ao SPED.

As informações serão incluídas na Escrituração Fiscal Digital – EFD, um arquivo que contém todos os registros de documentos fiscais de uma companhia e demais dados relevantes ao Fisco. Depois do correto preenchimento do documento, basta assiná-lo digitalmente e transmiti-lo ao SPED via Internet.

Quais são as mudanças normativas?

Em 2016, foi publicado o Ajuste SINIEF n.º 25/16, que trouxe diversas disposições sobre o assunto. Dentre elas, foi prevista, de forma geral, a obrigatoriedade de escrituração do Bloco K, a partir de 1o de janeiro de 2017, para estabelecimentos industriais pertencentes a empresa com faturamento anual igual ou superior a R$ 300 milhões.

Desde janeiro de 2018, a escrituração do Bloco K, embora não completa, também passou a ser exigida de alguns estabelecimentos industriais com faturamento igual ou superior a R$ 78 milhões. A partir de 2019, parcela do Bloco K deverá ser escriturada pelos demais estabelecimentos industriais, equiparados a industriais e alguns atacadistas (grupos 462 a 469 da CNAE).

Quais dados devem ser informados no Bloco K?

O Bloco dispõe de vários registros  eles são numerados e correspondem a alguma atividade de estoque. Confira os números dos registros e seus respectivos significados:

  • K200: Estoque Escriturado
  • K001: Abertura do Bloco K
  • K200: Estoques Escriturados
  • K220: Outras Movimentações Internas entre Mercadorias
  • K210: Desmontagem de mercadorias – Item de Origem
  • K215: Desmontagem de mercadorias – Item de Destino
  • K230: Itens Produzidos
  • K235: Insumos Consumidos
  • K250: Industrialização Efetuada por Terceiros – Itens Produzidos
  • K255: Industrialização em Tercerios – Insumos Consumidos
  • K990: Encerramento do Bloco K

Quais são algumas das dificuldades encontradas pelas empresas e como solucioná-las?

Um dos principais desafios enfrentados pelas companhias é a adaptação à nova forma de escrituração, já que, como tudo será feito eletronicamente, existe a necessidade de utilizar ferramentas de informática e tecnologia.

Além disso, as empresas devem criar uma cultura de organização, controle e gestão de estoques, pois as movimentações deverão ser minuciosamente registradas. Como são várias as informações que devem estar disponibilizadas no Bloco K, o trabalho será extenso em indústrias de qualquer tamanho.

Entretanto, há uma solução prática para todos esses problemas: a implementação de um software que realize a leitura de dados relativos ao SPED. Graças a essa tecnologia, boa parte da tarefa será automatizada, tornando todo o processo mais simples, econômico e rápido.

Com a leitura desta publicação, você agora sabe o que é o Bloco K, quais as informações nele compreendidas e como utilizar ferramentas que podem auxiliar no seu trabalho.

Esta publicação foi útil para você? Então assine a nossa newsletter e receba gratuitamente mais conteúdos como este no seu e-mail!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Share This